AO VIVO

terça-feira, 5 de maio de 2015

Italianos Na Série A TIM


A Serie A é uma competição tão interessante que fui procurar alguns aspectos da temporada que ajudariam a entender e poderiam explicar em partes o domínio supremo da Juventus por toda a temporada. Numa analise um pouco mais especifica em cima dos grandes clubes italianos, Juventus, Napoli, Milan, Fiorentina, Lazio e Roma e Inter de Milão, olhei para os planteis usados em toda temporada e observei o numero de jogadores da terra usados por cada time.





A Juventus, que a quatro temporadas seguidas vem dominando o futebol italiano, foi o time que mais usou italianos em seu elenco, 15 no total, dos quais sete foram titulares e se tornaram a base da seleção italiana que disputou a Eurocopa e a copa das confederações e até a copa do mundo. O Napoli conta com oito italianos no elenco total dos quais, dois são titulares, sendo que Jorginho é brasileiro de nascimento, mas naturalizado italiano. O Milan, que fez uma campanha horrorosa, sempre contando com a expectativa do segundo maior campeão italiano e europeu, o time milanês contou com 18 italianos dos quais, seis são titulares.

A Fiorentina conta com 11 italianos, dos quais três foram titulares. A Lazio conta com oito italianos no elenco dos quais, quatro foram titulares. Já a Roma, que há dois anos, tenta derrubar a Juve, conta apenas com oito italianos, dos quais quatro são titulares, De Sanctis, De Rossi, Florenzi e Totti. E a tradicional Internazionale que vaga pela competição e protagoniza vexames, tem apenas seis jogadores italianos no elenco, dos quais um é titular, o zagueiro Ranocchia. Aliás, a Inter já protagonizou uma cena inédita na temporada 2009, quando foi a final da UCL. Na partida final diante do Bayern de Munique, os 11 iniciais de Mourinho não tinham nenhum italiano.



Um detalhe relevante é de que todos os times citados acima apenas dois desses clubes não tem como comandantes italianos, Allegri (Juventus), Rafael Benitez (Napoli), Inzaghi (Milan), Montella (Fiorentina), Pioli (Lazio), Rudy Garcia (Roma) e Mancini (Internazionale). Na atual temporada, apenas a Inter mexeu no seu comando técnico, saída de Mazzarri e a chegada de Mancini. Ao final da temporada alguns devem mexer em seus comandos técnicos, como Napoli, Roma e Milan. 

Todo esse levantamento feito quer dizer uma coisa, a Serie A, diferente da liga inglesa, que talvez seja a maior liga do mundo atualmente, ainda é muito "italiana". Os times mais bem colocados na competição têm em sua maioria jogadores italianos. O exemplo de fracasso mais redundante nessa temporada, a Internazionale deu mostras de que um time sem italianos é fadado ao fracasso. Apesar do domínio que exerceu no fim dos anos 2000, quando tinha poucos italianos no elenco.


E um último detalhe, é que a Itália passa por um processo de reformulação de suas categorias de base e investimentos altos em formação de novos valores italianos, para evitar exatamente o que acontece com a Inglaterra, que faz anos que não consegue revelar alguém e deixa a seleção muito frágil, visto que as grandes equipes inglesas têm pouco ou quase nenhum jogador em seu elenco principal. O English Team se alimenta de jogadores que não são relevantes em seus clubes, com as exceções de Rooney e Hart, o restante vem de clubes que não disputam competições europeias como Everton, WBA, Aston Vila e etc. O torneio de primavera na Itália é um ótimo exemplo disso.

Visto que quando se formam seleções com jogadores jovens, porém, jogando em alto nível em clubes que disputam competições importantes, a tendência é formar seleções cada vez mais fortes e competitivas. Um grande exemplo disso foi à seleção italiana de 2006. E o contraponto disso foi às seleções de 2010 e 2014.